REVISTAS ONLINE EM BUSCA DE PRESENÇA NA WORLD WIDE WEB

POR ADRIANO RODRIGUES

   Como já foi dito, sabe­mos que nos­so pro­je­to não pro­põe nada ino­va­dor nem revo­lu­ci­o­ná­rio, pois a revis­ta digi­tal em ambi­en­te onli­ne já exis­te. O que pre­ten­de­mos aqui é cha­mar­mos os inte­res­sa­dos à uma refle­xão e pen­sar­mos que as pla­ta­for­mas de revis­tas digi­tais (Ado­be DPS, Twixl Publisher etc) que foram implan­ta­das já acha­ram seu mode­lo de publi­ca­ção e de negó­ci­os. Bus­ca­mos pro­por um outro mode­lo, mode­lo este que já foi uti­li­za­do em outros momen­tos, mas, em nos­sa opi­nião, não foi bem exe­cu­ta­do ou acei­to pela mai­o­ria das edi­to­ras e lei­to­res. Acre­di­ta­mos que a for­ma como as pla­ta­for­mas de publi­ca­ções de revis­tas digi­tais foram implan­ta­das não pri­vi­le­gia as carac­te­rís­ti­cas do meio revis­ta, pois os for­ma­tos de tais publi­ca­ções dei­xam de lado toda a impor­tân­cia de um mode­lo de revis­ta digi­tal que con­tem­ple o meio revis­ta como ele é, cheio de par­ti­cu­la­ri­da­des. Uma publi­ca­ção onli­ne não é, em nos­sa opi­nião, a mera trans­po­si­ção de con­teú­do do meio impres­so para o meio digi­tal.

   As publi­ca­ções de revis­tas onli­ne fazem par­te de nos­so dia-a-dia. Encon­tra­mos vári­os tipos delas. Encon­tra­mos revis­ta onli­ne em diver­sas for­mas: vemos revis­tas em for­ma de sites, por­tais, em for­ma de blogs, de apli­ca­ti­vos agre­ga­do­res (Issuu e Flip­bo­ard) e Ado­be Con­tent Viewer. O que vale res­sal­tar aqui é que nenhum dos mode­los que cita­re­mos aten­de às neces­si­da­des de uma boa pro­du­ção e con­su­mo de revis­ta digi­tal. O que vemos nes­tas revis­tas é ape­nas a pos­si­bi­li­da­de de publi­car con­teú­dos onli­ne. Veja­mos a seguir os alguns exem­plos.

Revista Online em forma de site

   Sabe­mos que exis­tem vári­os tipos de sites, pois as pos­si­bi­li­da­des e diver­si­da­des de apli­ca­ções da rede mun­di­al de com­pu­ta­do­res são enor­mes. As edi­to­ras não fica­ram fora des­te ambi­en­te conec­ta­do e lan­ça­ram seus mode­los de revis­tas onli­ne. Per­ce­be­mos que a mai­o­ria das revis­tas onli­ne em for­ma­to de site, do pon­to de vis­ta grá­fi­co, não tem as carac­te­rís­ti­cas do meio revis­ta, elas tem toda arqui­te­tu­ra, o design e a con­cep­ção em for­ma­to de site e não de revis­ta.

Revis­ta Trip — Ver­são onli­ne para com­pu­ta­dor

Revista Online em forma de portal

   A revis­ta onli­ne em for­ma de por­tal tem como carac­te­rís­ti­ca tra­ba­lhar mui­tas infor­ma­ções, vári­os con­teú­dos. Mui­tas vezes, esses con­teú­dos são colo­ca­dos dia­ri­a­men­te. Se pen­sar­mos nas carac­te­rís­ti­cas do meio revis­ta, o por­tal ape­nas usa a mar­ca da revis­ta para pos­ta­gem con­teú­dos diver­sos e os mes­mos con­teú­dos podem aju­dar na divul­ga­ção da revis­ta digi­tal para dis­po­si­ti­vos móveis e ser­vem tam­bém para pas­sa­rem infor­ma­ções rápi­das e coti­di­a­nas, sem espe­rar a peri­o­di­ci­da­de da revis­ta.

   A revis­ta onli­ne em for­ma­to de por­tal é qua­se um tipo de publi­ca­ção inde­pen­den­te. As maté­ri­as ali empre­ga­das podem não ter rela­ção com sua edi­ção perió­di­ca, ser­ve como um local em que pode­mos bus­car infor­ma­ções atu­a­li­za­das, é uma for­ma inde­pen­den­te de comer­ci­a­li­za­ção de publi­ci­da­de e aju­da a revis­ta a ter sua pre­sen­ça na web. Um bom exem­plo des­te tipo de publi­ca­ção é a revis­ta Exa­me.

Revis­ta Exa­me — mode­lo de revis­ta em for­ma de por­tal

Revista Online em blog

   Nos últi­mos anos, os blogs vêm ganhan­do mui­ta rele­vân­cia na dis­se­mi­na­ção de con­teú­do. Hoje, vemos vári­os blo­guei­ros fazen­do papel de jor­na­lis­ta, ou até jor­na­lis­tas uti­li­zan­do esta pla­ta­for­ma, pos­tan­do seus con­teú­dos a seus públi­cos seg­men­ta­dos. A audi­ên­cia de alguns blogs faz inve­ja a mui­tas revis­tas.

   A impor­tân­cia que os blogs têm nos dias atu­ais é mui­to gran­de, pois aju­dam a difun­dir infor­ma­ções das mais diver­sas e, em mui­tos casos, infor­ma­ções de qua­li­da­de. O blog é uma pos­si­bi­li­da­de inte­res­san­te para pes­so­as publi­ca­rem seus con­teú­dos. A dis­tri­bui­ção de infor­ma­ções rele­van­tes não é tare­fa exclu­si­va das edi­to­ras e repór­te­res: o blog é uma pla­ta­for­ma demo­crá­ti­ca, tan­to do pon­to de vis­ta da dis­se­mi­na­ção de con­teú­do quan­to em sua base tec­no­ló­gi­ca.   Para usar uma pla­ta­for­ma de blog, os blo­guei­ros ou jor­na­lis­tas não pre­ci­sam ter conhe­ci­men­to téc­ni­co em pro­gra­ma­ção, pois tra­ta-se de uma pla­ta­for­ma em que as fer­ra­men­tas de dia­gra­ma­ção do con­teú­do são extre­ma­men­te fáceis. Pode­mos encon­trar pla­ta­for­mas de blog gra­tui­tas, como o BlogS­pot, ou pagas, como Word­Press, Joom­la, entre outras.

   O suces­so da fer­ra­men­ta de blog deve-se a sua faci­li­da­de de uso e fer­ra­men­tas embu­ti­das nele que aju­dam os bus­ca­do­res a encon­trar seus con­teú­dos. Acre­di­ta­mos que as edi­to­ras que pro­du­zem revis­tas digi­tais ain­da não sou­be­ram apro­vei­tar esta impor­tan­te fer­ra­men­ta, uma vez que pode­ri­am explo­rá-la mais, mon­tar a pla­ta­for­ma de publi­ca­ção de revis­ta digi­tal, já que a pla­ta­for­ma de blog per­mi­te um grau mui­to gran­de de cus­to­mi­za­ção, embo­ra tam­bém pos­su­am tem­pla­tes de revis­tas digi­tais. Pode­mos ver o uso des­ta pla­ta­for­ma na revis­ta Supe­rin­te­res­san­te.

Blog da revis­ta Supe­rin­te­res­san­te

Revista online em forma de sites agregadores

   Mui­tos pro­je­tos foram imple­men­ta­dos para a pro­du­ção de revis­ta digi­tal onli­ne na for­ma de sites agre­ga­do­res. Temos revis­tas depo­si­ta­das em ambi­en­tes onli­ne, nos mais diver­sos for­ma­tos, nas mais diver­sas pla­ta­for­mas e temos tam­bém revis­tas em for­ma de apli­ca­ti­vos e apli­ca­ti­vos agre­ga­do­res. Para exem­pli­fi­car­mos, demons­tra­re­mos dois tipos de apli­ca­ti­vos agre­ga­do­res, o Issue e o Flip­bo­ard.

Revista online — Issuu

   A pla­ta­for­ma de revis­ta Digi­tal Issuu, é um mode­lo de pla­ta­for­ma que pode ser encon­tra­do em ambi­en­te onli­ne e tam­bém em for­ma­to de apli­ca­ti­vos. Nes­te tipo de pla­ta­for­ma, o res­pon­sá­vel pela revis­ta depo­si­ta seu con­teú­do em for­ma­to PDF na pla­ta­for­ma, que faz uma con­ver­são auto­má­ti­ca da revis­ta.  No com­pu­ta­dor, esta con­ver­são é fei­ta para o for­ma­to Ado­be Flash. Já quan­do o con­teú­do será aces­sa­do via apli­ca­ti­vo, nos dis­po­si­ti­vos móveis, esta con­ver­são se adap­ta para que seja aces­sa­do nos sis­te­mas ope­ra­ci­o­nais dos apli­ca­ti­vos.

   Em nos­sa opi­nião, a pla­ta­for­ma Issuu está mais para um depó­si­to de revis­tas digi­tais do que para uma revis­ta digi­tal real­men­te. A fun­ci­o­na­li­da­de de lei­tu­ra des­te tipo de publi­ca­ção é mui­to ruim, pois faz com que o usuá­rio fique per­di­do na nave­ga­ção. Para ler o con­teú­do, o usuá­rio fica pin­çan­do a revis­ta, levan­do seu olhar de lá para cá, sem nenhu­ma pre­o­cu­pa­ção com a fun­ci­o­na­li­da­de. As inte­ra­ti­vi­da­des tam­bém ficam pre­ju­di­ca­das, entre outros pro­ble­mas. É mais uma solu­ção rápi­da para dizer que a edi­to­ra tem uma revis­ta digi­tal, quan­do, na ver­da­de, não tem.

Revista Online — Flipboard

   O apli­ca­ti­vo Flip­Bo­ard é um agre­ga­dor de con­teú­do, uma pro­pos­ta inte­res­san­te de expe­ri­ên­cia de revis­ta digi­tal. Ele pode ser aces­sa­do em com­pu­ta­do­res e em dis­po­si­ti­vos móveis. Nes­te tipo de publi­ca­ção, o usuá­rio esco­lhe os assun­tos de sua pre­fe­rên­cia e o sis­te­ma do Flip­bo­ard bus­ca e apre­sen­ta estes con­teú­dos. O usuá­rio esco­lhe e aces­sa este con­teú­do den­tro do apli­ca­ti­vo ou do site. O que o sis­te­ma do Flip­bo­ard faz é bus­car na inter­net os assun­tos de inte­res­ses dos usuá­ri­os e esta bus­ca é fei­ta pelo sis­te­ma em sites, blogs etc.

   No Flip­bo­ard, é pos­sí­vel cus­to­mi­zar o con­teú­do do usuá­rio, ou seja, é o usuá­rio que esco­lhe o que quer ver. Nes­te tipo de apli­ca­ção as edi­to­ras não têm con­tro­le, pois con­teú­dos vêm de diver­sos luga­res e não de ape­nas um lugar. Para o usuá­rio é uma for­ma inte­res­san­te de con­su­mir con­teú­do.

   A nave­ga­ção é mui­to bem fei­ta e os con­teú­dos apre­sen­ta­dos estão mui­to bem for­ma­ta­dos, ou seja, o públi­co que aces­sa este tipo de pla­ta­for­ma con­se­gue real­men­te ler e aces­sar, de for­ma fácil, estes con­teú­dos. Outra fer­ra­men­ta bem inte­res­san­te nes­te tipo de pla­ta­for­ma é a faci­li­da­de de divul­ga­ção do con­teú­do pelo qual o lei­tor se inte­res­sou, pois é só aper­tar alguns botões para isso acon­te­cer, tan­to nas redes soci­ais como nos de com­par­ti­lha­men­to. Veja

Exem­plo de pági­na onli­ne para com­pu­ta­do­res do Flip­bo­ard

Revis­ta onli­ne em for­ma­to Flash

   As revis­tas onli­ne em for­ma­to Flash tem como carac­te­rís­ti­cas o alto nível do design e mui­ta inte­ra­ti­vi­da­de. O for­ma­to Flash gera um tipo de arqui­vo que é pos­sí­vel atri­buir todo tipo de layout, a liber­da­de é total e por ser um for­ma­to de arqui­vo que per­mi­te ani­ma­ções e mui­ta inte­ra­ti­vi­da­de tor­na a revis­ta fei­ta nes­te for­ma­to um pro­du­to mui­to inte­res­san­te e rico em ações inte­ra­ti­vas, mas se pen­sar­mos em depo­si­tar a revis­ta fei­ta nes­te for­ma­to, tere­mos mui­tos pro­ble­mas, pois o Flash é mui­to bem acei­to e fun­ci­o­na bem em ambi­en­tes onli­ne, onde o lei­tor aces­sa os con­teú­dos por com­pu­ta­do­res, mas se pen­sar­mos em ambi­en­tes mobi­le a his­tó­ria muda de figu­ra, pois o for­ma­to Flash não fun­ci­o­na em sis­te­mas ope­ra­ci­o­nais como IOS e Android, ambos rodan­do em dis­po­si­ti­vos móveis. Pode­mos ver esta tec­no­lo­gia aces­san­do a revis­ta iFly.  

Revis­ta iFly desen­vol­vi­da em for­ma­to Ado­be Flash

Revis­ta Onli­ne – Ado­be Con­tent Viewer

   A Ado­be tra­ba­lhou mui­to bem na pla­ta­for­ma Ado­be DPS. Fazer revis­ta digi­tal para dis­po­si­ti­vos móveis com esta pla­ta­for­ma é uma tare­fa mui­to inte­res­san­te e o resul­ta­do é ani­ma­dor, mas quan­do a Ado­be faz uma ver­são da pla­ta­for­ma para com­pu­ta­dor, não pode­mos dizer o mes­mo. O resul­ta­do é desas­tro­so em todos os que­si­tos, tan­to do pon­to de vis­ta do design, das fun­ci­o­na­li­da­des, nave­ga­ção etc. A dúvi­da é saber como a Ado­be con­se­gue comer­ci­a­li­zar algo tão ruim assim.

Capa da revis­ta Épo­ca na pla­ta­for­ma do Ado­be DPS (Con­tent Viewer)

Produção de revista online em plataformas

   Como já apon­ta­mos, a pro­du­ção de revis­ta onli­ne pode ser fei­ta de duas for­mas. A pri­mei­ra é por meio de pro­du­ção com uso de pro­gra­ma­ção, onde cada pági­na, cada arti­go é tra­ba­lha­do indi­vi­du­al­men­te, um a um, onde o pro­ces­so não é todo auto­ma­ti­za­do, ape­nas par­te dele ou às vezes nada. A van­ta­gem que essa carac­te­rís­ti­ca de pro­du­ção nos traz é a total liber­da­de em fazer artes e inte­ra­ções digi­tais. A gran­de pre­o­cu­pa­ção com este tipo de pro­du­ção é que todo o tra­ba­lho pesa­do da mon­ta­gem do con­teú­do por este pro­ces­so fica na mão de pro­gra­ma­do­res e o gran­de desa­fio é fazer com que este pro­gra­ma­dor tra­ba­lhe bem as ques­tões do design. Mas sabe­mos que a mai­o­ria dos pro­gra­ma­do­res não sabe tra­ba­lhar bem com design, e, por­tan­to, para este tipo de pro­du­ção, há a neces­si­da­de de se tra­ba­lhar com um dire­tor de arte, dia­gra­ma­dor, etc.

   A segun­da opção de pro­du­ção da revis­ta onli­ne é por meio do uso de pla­ta­for­mas. Como já dis­se­mos, o uso de pla­ta­for­ma aju­da no pro­ces­so de pro­du­ção da revis­ta, pois, após a auto­ma­ção de pro­je­to grá­fi­co, os dia­gra­ma­do­res podem mon­tar a revis­ta com mais faci­li­da­de. Para fazer um pro­je­to de auto­ma­ti­za­ção por meio de pla­ta­for­ma, é pre­ci­so seguir o pro­je­to grá­fi­co desen­vol­vi­do pelo desig­ner grá­fi­co.

   Nes­te pro­ces­so, o pro­gra­ma­dor de pla­ta­for­mas auto­ma­ti­za cada peda­ço da revis­ta, ou seja, cada par­te da revis­ta rece­be uma pro­gra­ma­ção, que fica por traz da pla­ta­for­ma, e o dia­gra­ma­dor deve apli­car o con­teú­do na revis­ta. A van­ta­gem do uso de pla­ta­for­ma é que todo o con­teú­do é atu­a­li­za­do na nuvem, toda a pro­gra­ma­ção está embu­ti­da na pla­ta­for­ma, a velo­ci­da­de de pro­du­ção dá aos edi­to­res agi­li­da­de e mui­ta faci­li­da­de, pois a tare­fa mais com­ple­xa, que é pro­gra­mar a revis­ta, já está desen­vol­vi­da.

   Uma ques­tão que deve ser aqui levan­ta­da é se a revis­ta fica­rá enges­sa­da, dura, sem mui­ta liber­da­de. E a res­pos­ta é não. A auto­ma­ção apli­ca­da na pla­ta­for­ma só faci­li­ta­rá o uso dos recur­sos pro­je­ta­dos pelo desig­ner, mas a per­cep­ção do espa­ço grá­fi­co na hora da mon­ta­gem da revis­ta fica a car­go do dia­gra­ma­dor, pois ele tem total liber­da­de para pro­du­zir e expor suas idei­as na pági­na que está dia­gra­man­do. Esta auto­ma­ção não é exclu­si­vi­da­de da pla­ta­for­ma digi­tal, uma vez que este pro­ces­so é usa­do hoje pelas edi­to­ras por meio dos softwa­res dia­gra­ma­do­res, pois, no pro­je­to grá­fi­co da revis­ta, mui­tos pro­ces­sos são auto­ma­ti­za­dos por meio de esti­los, ou seja, isso já é uma prá­ti­ca cor­ri­quei­ra na mon­ta­gem da revis­ta impres­sa.

Revista Online em forma de aplicativo

   A defi­ni­ção de apli­ca­ti­vo é sim­ples, mas gera alguns equí­vo­cos. Pode­mos dizer que apli­ca­ti­vo é um soft­ware que pode ser pro­du­zi­do para rodar espe­ci­fi­ca­men­te em com­pu­ta­do­res, tablets e smartpho­nes. Mui­tos acham que apli­ca­ti­vo está rela­ci­o­na­do ape­nas aos dis­po­si­ti­vos móveis, mas como já dis­se­mos, apli­ca­ti­vo é um soft­ware. A uti­li­za­ção do apli­ca­ti­vo (soft­ware) depen­de mui­to de sua fun­ção. Na ver­da­de, é por meio dos apli­ca­ti­vos que os dis­po­si­ti­vos móveis ganham fun­ci­o­na­li­da­des, pois um tablet e um smartpho­ne sem apli­ca­ti­vos é sim­ples­men­te um apa­re­lho sem fun­ção. Apli­ca­ti­vo é um pro­gra­ma que tem apli­ca­ções, das mais diver­sas. Então, pode­mos dizer que um com­pu­ta­dor é reple­to de apli­ca­ti­vos, pode­mos dizer que o Pho­toshop, por exem­plo, é um apli­ca­ti­vo. No caso das revis­tas digi­tais depo­si­ta­das em dis­po­si­ti­vos móveis, pode­mos dizer que temos um soft­ware que geren­cia e nos dá aces­so ao con­teú­do edi­to­ri­al, ou seja, a apli­ca­ção do soft­ware da revis­ta é for­ne­cer con­teú­dos.

   Antes de expor­mos as jus­ti­fi­ca­ti­vas da neces­si­da­de de imple­men­tar a revis­ta em for­ma de apli­ca­ti­vo, vale aqui lem­brar que este tipo de con­teú­do tem um nome espe­cí­fi­co – ele é cha­ma­do e conhe­ci­do como Web App (web apli­ca­ti­vo) ou Mobi­le Apps. O Web App é um apli­ca­ti­vo que car­re­ga con­teú­dos onli­ne. Pode­mos ver esta prá­ti­ca em apli­ca­ti­vos de rádio, tvs, por­tais etc. A gran­de dife­ren­ça para um apli­ca­ti­vo con­ven­ci­o­nal é que o con­teú­do não é ane­xa­do ao apli­ca­ti­vo, seu car­re­ga­men­to é via inter­net, ou seja, enquan­to em um apli­ca­ti­vo con­ven­ci­o­nal todo o con­teú­do é embar­ca­do den­tro do apli­ca­ti­vo (o que gera um peso), no Web App o con­teú­do é car­re­ga­do via links já atri­buí­dos den­tro dele, evi­tan­do, assim, o car­re­ga­men­to com­ple­to do con­teú­do e a digi­ta­ção das URLs.

   Sabe­mos que os con­teú­dos digi­tais con­su­mi­dos em dis­po­si­ti­vos móveis são aces­sa­dos em for­ma de apli­ca­ti­vos. Eles são dis­tri­buí­dos em lojas digi­tais como Apple, Goo­gle, Win­dows etc.

   O meio revis­ta tem carac­te­rís­ti­cas que o defi­nem e uma carac­te­rís­ti­ca extre­ma­men­te rele­van­te é a ques­tão do pro­je­to grá­fi­co. Quan­do a revis­ta é aces­sa­da em ambi­en­te onli­ne por meio de nave­ga­do­res, assu­me as carac­te­rís­ti­cas de revis­ta no for­ma­to de site, mes­mo que o pro­je­to obe­de­ça e assu­ma as carac­te­rís­ti­cas de revis­ta, pois os nave­ga­do­res atra­pa­lham mui­to o pro­je­to grá­fi­co, uma vez que a nave­ga­ção por meio de rola­gem, a visu­a­li­za­ção de URLs em dis­po­si­ti­vos móveis atra­pa­lham mui­to o pro­je­to edi­to­ri­al. Se for imple­men­ta­da por meio de apli­ca­ti­vos, todas essas ques­tões são resol­vi­das, além de ambi­en­tar­mos os lei­to­res a uma manei­ra de uti­li­za­ção de con­teú­dos digi­tais em for­ma de apli­ca­ti­vo, o com­por­ta­men­to, a nave­ga­ção e o tra­ta­men­to são outros – eles ficam de acor­do com as neces­si­da­des e regras esta­be­le­ci­das para o con­su­mo de con­teú­dos digi­tais em dis­po­si­ti­vos móveis, além de poder­mos uti­li­zar todo o ecos­sis­te­ma das pla­ta­for­mas de apli­ca­ti­vos para divul­gar­mos, medir­mos e enten­der­mos os movi­men­tos que os lei­to­res fazem den­tro des­se ambi­en­te.

   A imple­men­ta­ção da revis­ta onli­ne per­mi­te o seu aces­so em vári­os apa­re­lhos, como com­pu­ta­do­res, tablets e smartpho­nes via nave­ga­do­res (brow­sers). Se o aces­so aos con­teú­dos pode ser por meio de nave­ga­do­res, por que fazer apli­ca­ti­vo para dis­po­ni­bi­li­zar os con­teú­dos da revis­ta digi­tal onli­ne?

   Pri­mei­ra­men­te, por­que o aces­so da revis­ta por meio de nave­ga­do­res, embo­ra pro­por­ci­o­ne uma expe­ri­ên­cia de nave­ga­ção na inter­net, aca­ba atra­pa­lhan­do mui­to a iden­ti­da­de edi­to­ri­al, já que os nave­ga­do­res aca­bam sen­do um obje­to estra­nho no visu­al da revis­ta, por não faze­rem par­te da iden­ti­da­de visu­al do pro­je­to, o que des­fa­vo­re­ce a nave­ga­ção e o con­su­mo do con­teú­do.

Por que fazer aplicativo da revista online?

   O con­su­mo de con­teú­do por meio de dis­po­si­ti­vos móveis geral­men­te acon­te­ce por aces­so de apli­ca­ti­vos, ape­sar de que con­teú­dos onli­ne podem ser fei­tos via nave­ga­do­res, como já foi expli­ci­ta­do. Para que pos­sa­mos enten­der os moti­vos que levam as empre­sas a depo­si­ta­rem seus con­teú­dos den­tro de apli­ca­ti­vos, veja­mos abai­xo alguns dados for­ne­ci­dos pelo Goo­gle:

      • Em 2014, o uso de apli­ca­ti­vos Mobi­le Apps cres­ceu mui­to. Os usuá­ri­os de dis­po­si­ti­vos móveis já estão acos­tu­ma­dos com con­su­mo e uso de apli­ca­ti­vos; em média, eles fazem 64 down­lo­ads de apli­ca­ti­vos por ano.
      • 86% do tem­po dos usuá­ri­os é gas­to aces­san­do con­teú­do via mobi­le apps e 14% é gas­to aces­san­do con­teú­do via sites mobi­le. Dos 86% do tem­po gas­to, 40% é aces­san­do apli­ca­ti­vos de jogos, 28% é em redes soci­ais e 20% outros. Esses últi­mos 20% estão rela­ci­o­na­dos ao con­su­mo de con­teú­do onli­ne como revis­tas, jor­nais, víde­os etc.
      • o con­su­mo de revis­ta digi­tal onli­ne por meio de apli­ca­ti­vos per­mi­te que o lei­tor foque no aces­so e nave­ga­ção dos con­teú­dos da revis­ta, e isso evi­ta a dis­per­são e nave­ga­ção de con­teú­dos em outros sites, pois, mes­mo que haja links para con­teú­dos exter­nos, eles são aces­sa­dos den­tro do apli­ca­ti­vo da revis­ta, o que evi­ta que o usuá­rio saia da revis­ta.
      • o desen­vol­vi­men­to de apli­ca­ti­vo de revis­ta aju­da na cri­a­ção de ata­lhos para aces­sar seu con­teú­do, evi­tan­do, assim, a digi­ta­ção da URL.
      • a dis­tri­bui­ção de con­teú­dos da revis­ta digi­tal onli­ne por meio de apli­ca­ti­vos tor­na-se neces­sá­ria para nos apro­xi­mar­mos dos mode­los já implan­ta­dos no mer­ca­do edi­to­ri­al con­tem­po­râ­neo e para faci­li­tar a vida do lei­tor des­te novo mode­lo de revis­ta.