BANCA DE PUBLICAÇÃO DIGITAL – MODOS E MODELOS

POR ADRIANO RODRIGUES

As revistas tradicionais, além de serem vendidas como assinaturas, também são ofertadas em bancas de ruas, conhecidas também como bancas de jornais. Nas bancas de rua, são comercializados os mais diversos tipos de publicações, além de produtos como jornais, revista, livros, DVDs, doces etc. As bancas de rua atuais não comercializam apenas publicações, acabaram tornando-se bancas de conveniências e isso foge muito do propósito inicial, que era vender publicações.

Banca de Jornais e revista.

Acreditamos que essa diversificação de vendas de produtos e serviços ocorre devido à grande necessidade do público consumidor e também funciona como uma oportunidade para os donos dessas bancas, que vendem o que o consumidor precisa e, ao mesmo tempo, cobre uma necessidade de caixa, já que a internet tornou-se uma grande fonte de informação gratuita, ajudando a redução de publicações impressas.

No caso das publicações das revistas digitais para dispositivos móveis, as bancas são simulacros das bancas de rua e são apresentadas em forma de aplicativo, disponibilizados nas lojas digitais como App StoreGoogle Play etc. O layout dessas bancas digitais são parecidas com estantes de livros ou podem ter  layout personalizados. Neste tipo de banca digital, podemos encontrar dois modelos:

1 – Banca individual: no modelo de banca individual são armazenadas, comercializadas e acessadas apenas edições da mesma revista. Esta possibilidade é muito diferente da banca de rua ou coletiva, pois o leitor só terá acesso a várias edições da mesma revista. Comercialmente, este tipo de configuração pode ser extremamente interessante, pois o leitor terá acesso não apenas a edições do mês, mas a outras edições. Esse processo pode ajudar as editoras a venderem mais revistas e acaba também com a prática de solicitar para o jornaleiro ou editoras edições anteriores ou mesmo esgotadas.
Modelos de bancas digitais individuais. Revista Galileu e revista PME

2 – Banca coletiva: este tipo de banca tem como objetivo veicular ou vender publicações das mais diversas editoras.  O modelo de banca coletiva aproxima muito do modelo de banca de rua, onde são comercializadas várias edições de várias revistas. Este tipo de banca também é interessante, pois pode ajudar grandes e pequenas editoras na comercialização de revistas. As grandes editoras podem comercializar os mais variados tipos de publicações, já as pequenas editoras podem se unir e dividir o custo de implantação da revista digital. Para este tipo de modelo, podemos citar como exemplo as bancas IBAMAGTABIBANCA etc.

Modelo de bancas coletivas. Bancas Iba e iBanca

Quais são as vantagens em disponibilizar as revistas digitais em formato de banca? Vamos colocar abaixo algumas justificativas interessantes. Veja:

  1. As bancas armazenam as revistas de forma clara e organizada;
  2. Pode-se colocar, além das publicações atuais, revistas antigas, ou até mesmo fora de edição, conforme a necessidade das editoras. Geralmente são veiculadas as revistas novas, mas caso haja necessidade, a editora pode convergir, veicular e comercializar as revistas que não são da era digital;
  3. As revistas expostas nas bancas são fornecidas mediante pagamento por edição ou por meio de assinatura, ou até mesmo, podem ser ofertadas gratuitamente. Esta última opção é geralmente adotada como estratégia de marketing, como se a editora estivesse ofertando uma degustação;
  4. O modelo de banca digital não serve apenas para comercialização da revista, ela serve também como biblioteca, onde o leitor pode ler sua edição quando e onde quiser, sem a necessidade de guardá-las ou carregá-las, já que estão guardadas na nuvem. Nos modelos de banca digital atual, as revistas podem ser baixadas, lidas e depois, se o leitor quiser apagar, poderá baixá-las novamente sempre que necessário e continuar lendo. Essa prática, além de ajudar a carregar e guardar as revistas, não ocupa espaço em seu dispositivo móvel.
  5. O conceito de banca digital resolve um problema até mesmo de logística e distribuição, pois seu armazenamento na nuvem permite que qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, tenha acesso à publicação desejada.
  6. Dependo do modelo de banca em que o leitor estiver acessando seu conteúdo, ele pode consumir edições anteriores, fazer busca dentro do sistema por assuntos desejados etc.
  7. Outro recurso importante neste tipo de banca (dependendo do modelo que a revista está publicada) é a possibilidade de marcar textos, fazer anotações, enviar parte do conteúdo para outras pessoas etc, ou seja, alguns modelos de banca, fornecem recursos que lembram o livro digital, os e‑books;
  8. Dentro das bancas digitais pode-se comercializar publicidade por meio de banners digitais. Com isso, a editora pode fazer divulgação de seu próprio conteúdo ou comercializar este espaço publicitários para empresas que queiram divulgar seus produtos ou serviços dentro daquele ambiente. Esta prática pode ajudar editora a divulgar seus produtos ou serviços ou a ter uma renda extra;
Veja no topo o banner da banca da Revista Gol
  1. Caso haja algum tipo de erro ou atualização em qualquer edição, o editor pode fazer as mudanças necessárias e, após a publicação das alterações, os leitores receberão um aviso em tempo real de que houve mudança naquela edição, o leitor atualiza a edição alterada e irá consumir uma publicação atualizada. Para que a revista seja atualizada pelo leitor que já baixou a revista em seu dispositivo, ele precisa tocar no aviso de atualização e a revista será alterada. Caso o leitor ainda não tenha baixado o aplicativo da revista, quando baixar nem perceberá que houve mudança na edição que ele baixou, mas se o leitor não atualizar a revista, após tê-la baixado, esta publicação fica como está;
  2. Toda vez que há uma nova publicação, o leitor recebe o aviso via push e ele pode ver ou tocar no aviso. Se o leitor apenas visualizar o alerta, isso pode servir como divulgação, mas caso toque no aviso (que já vem com link) ele vai diretamente para a nova edição publicada. Esta tecnologia ajuda também a editora a vender mais revistas.

As bancas digitais ajudam os editores a armazenarem, divulgarem, distribuírem, comercializarem seus conteúdos. Esse processo foi adaptado dos conceitos encontrados não apenas nos modelos de bancas tradicionais, mas também no modelo de negócio tradicional das publicações impressas, respeitando um novo suporte, o digital.

Rolar para cima