A REVISTA DIGITAL ONLINE — O USO DO DESIGN NA BUSCA POR UMA SEMELHANÇA DA REVISTA IMPRESSA

POR ADRIANO RODRIGUES

   O gran­de desa­fio na pro­du­ção de revis­ta digi­tal onli­ne é a bus­ca por uma apro­xi­ma­ção da sua iden­ti­da­de edi­to­ri­al com seu mode­lo impres­so. Sabe­mos que, em cada supor­te que o con­teú­do da revis­ta é depo­si­ta­do, deve-se res­pei­tar e explo­rar sua for­ma espe­cí­fi­ca, pois cada supor­te tem carac­te­rís­ti­cas dife­ren­tes, Não pode­mos esque­cer, no entan­to, as carac­te­rís­ti­cas do meio revis­ta. O ide­al é que se pre­ser­ve as carac­te­rís­ti­cas do meio, explo­ran­do sabi­a­men­te o novo supor­te digi­tal.

   O que pode nos aju­dar nes­ta tare­fa é a apli­ca­ção cor­re­ta e ade­qua­da do edi­to­ri­al ali­a­do ao design digi­tal. O impor­tan­te aqui é fazer­mos um pro­je­to grá­fi­co que pos­sa ser con­su­mi­do pelo lei­tor sem nenhu­ma inter­fe­rên­cia que venha a pre­ju­di­car o con­su­mo de con­teú­do.

   Pri­mei­ra­men­te, é pre­ci­so pen­sar em cri­ar um pro­je­to grá­fi­co digi­tal que con­tem­ple, o máxi­mo pos­sí­vel, as carac­te­rís­ti­cas da revis­ta.  Veja­mos a seguir as eta­pas do pro­ces­so do pro­je­to grá­fi­co digi­tal.

   Pri­mei­ra­men­te, é pre­ci­so enten­der que a revis­ta impres­sa é depo­si­ta­da sobre papel, já a digi­tal é em telas. Ambos os supor­tes têm suas dife­ren­ças, pois o papel tem tra­ma, já o digi­tal tem malha, o papel tem tex­tu­ra, o digi­tal tem luz.

   Além das par­ti­cu­la­ri­da­des de supor­te, é pre­ci­so explo­rar as par­ti­cu­la­ri­da­des de for­ma­tos. O papel tem dimen­sões espe­cí­fi­cas e, se pen­sar­mos em ler­mos a revis­ta em com­pu­ta­do­res, tablets e smartpho­nes, temos uma gran­de vari­a­ção de for­ma­tos. Para che­gar­mos ao resul­ta­do inte­res­san­te, é pre­ci­so pro­je­tar a revis­ta digi­tal pen­san­do nes­sas dife­ren­ças de tama­nhos de telas. Para isso, usar a tec­no­lo­gia de design res­pon­si­vo aju­da mui­to na apli­ca­ção des­tes con­teú­dos de for­ma inte­res­san­te.

   Na publi­ca­ção digi­tal, exis­tem vári­os for­ma­tos e a vari­a­ção dos for­ma­tos requer uma vari­a­ção de pro­du­ção. Depen­den­do de onde a revis­ta for pro­du­zi­da, tra­ba­lhar com design res­pon­si­vo é uma pos­si­bi­li­da­de inte­res­san­te e que aju­da tan­to na pro­du­ção quan­to na lei­tu­ra. O uso de design res­pon­si­vo pode ser usa­do em publi­ca­ções digi­tais onli­ne, isso, cla­ro, se os desig­ners e pro­gra­ma­do­res uti­li­za­rem esta tec­no­lo­gia.

   Outro gran­de desa­fio é o uso de tipo­gra­fi­as. Sabe­mos que mui­tas fon­tes tipo­grá­fi­cas foram cri­a­das para ser apli­ca­das em supor­tes de papel. Apli­cá-las em ambi­en­tes digi­tais pode gerar dois pro­ble­mas: o pri­mei­ro é a ques­tão da legi­bi­li­da­de e, o segun­do é a sua inclu­são na pla­ta­for­ma, pois se o usuá­rio não tiver as fon­tes que o desig­ner usou, ele terá pro­ble­ma na lei­tu­ra do con­teú­do. Para resol­ver isto, é pre­ci­so pen­sar no uso de fon­tes que pos­sam ser encon­tra­das den­tro dos sis­te­mas ope­ra­ci­o­nais ou den­tro das pla­ta­for­mas.

   As cores em ambi­en­tes digi­tais ganham mais for­ça, mais bri­lho, pois esta­mos tra­tan­do de cores relu­zen­tes, esta­mos falan­do de luzes, mui­to dife­ren­te das cores pig­men­tos, encon­tra­das nos impres­sos grá­fi­cos. Para que haja uma seme­lhan­ça de cores em rela­ção à revis­ta impres­sa, é pre­ci­so usar códi­gos cro­má­ti­cos. Enquan­to no impres­so é usa­do o modo de cor em pro­ces­so CMYK (cia­no, magen­ta, ama­re­lo e pre­to), no digi­tal é pre­ci­so usar o modo de cor RGB (red, gre­en e blue). Por exem­plo, caso quei­ra­mos repro­du­zir uma cor ver­me­lha escu­ra do impres­so, pode­mos usar os seguin­tes códi­gos: diga­mos que no CMYK as cores são C0, M100, Y100 e K 50; esta mes­ma cor no digi­tal seria o equi­va­len­te a R133, G15 e B8, ou #850f08. Isso quer dizer que repro­du­zir cores seme­lhan­tes refe­ren­ci­an­do-se no impres­so é uma tare­fa fácil, mas vale aqui res­sal­tar que as cores não fica­rão 100% iguais, pois esta­mos tra­tan­do de con­cei­tos dife­ren­tes.

   As ima­gens publi­ca­das em revis­tas digi­tais ganham outra dimen­são. A apli­ca­ção das ima­gens na revis­ta digi­tal não depen­de mais de quan­ti­da­de de pági­na nem de cus­to de papel, pois o ambi­en­te digi­tal per­mi­te colo­car um núme­ro mai­or de ima­gens para ilus­trar a maté­ria. Elas podem ser apre­sen­ta­das de for­ma indi­vi­du­al ou em for­ma­to de gale­ri­as. A qua­li­da­de das ima­gens tan­to na revis­ta impres­sa quan­to na digi­tal é algo impres­cin­dí­vel, mas, na ver­são digi­tal, é pos­sí­vel abu­sar um pou­co do tra­ta­men­to das ima­gens, uma vez que não serão depo­si­ta­das sobre papel e, nes­te caso, como não há a tra­ma do papel para inter­fe­rir no resul­ta­do final, as ima­gens ganham um cer­to padrão.

   Uma ques­tão de extre­ma impor­tân­cia quan­do se pro­duz revis­ta digi­tal é o pro­je­to grá­fi­co. Quan­do a pro­du­ção é fei­ta em pla­ta­for­mas como Ado­be DPS, Twixl etc, esta tare­fa tor­na-se fácil, mas quan­do usa­mos pla­ta­for­mas de pro­du­ção de revis­ta digi­tal onli­ne, como o Word­Press essa tare­fa mos­tra-se mais difí­cil. Na ver­da­de, esse é um dos mai­o­res desa­fi­os, pois a revis­ta digi­tal onli­ne pre­ci­sa ter um pro­je­to que con­tem­ple as espe­ci­fi­ca­ções do meio revis­ta. Pre­ser­var e man­ter o pro­je­to grá­fi­co, além de aju­dar a dar for­ma à revis­ta digi­tal, pro­por­ci­o­na tam­bém uma boa expe­ri­ên­cia de aces­so. Ao lan­çar uma revis­ta digi­tal onli­ne, é pre­ci­so desen­vol­ver um bom pro­je­to grá­fi­co, res­pei­tan­do as espe­ci­fi­ca­ções que defi­nem o meio revis­ta e que explo­re ao máxi­mo o supor­te digi­tal onli­ne.

   A uti­li­za­ção dos recur­sos inte­ra­ti­vos her­da­dos das revis­tas digi­tais para tablets na publi­ca­ção digi­tal onli­ne tam­bém é uma tare­fa das mais com­ple­xas: pri­mei­ro, as pla­ta­for­mas de publi­ca­ções digi­tais onli­ne têm recur­sos ili­mi­ta­dos. Para obter uma gran­de quan­ti­da­de de recur­sos, é pre­ci­so pro­du­zir com HTML5 e com design res­pon­si­vo, mas pode­mos incre­men­tar esses recur­sos usan­do softwa­res como Ado­be Dre­amWe­a­ver, Ado­be Muse, Ado­be Edge Ani­ma­te, entre outros. Uma obser­va­ção faz-se neces­sá­ria nes­te tipo de publi­ca­ção: é pre­ci­so mode­rar o nível de inte­ra­ti­vi­da­de, caso con­trá­rio o aces­so a publi­ca­ção pode­rá demo­rar devi­do ao peso dos con­teú­dos.

   A nave­ga­ção das revis­tas onli­ne pode ser pro­du­zi­da de diver­sas for­mas, mas a suges­tão é pro­je­tar um tipo de nave­ga­ção que este­ja pró­xi­ma da rea­li­da­de das revis­tas digi­tais, ou seja, com lei­tu­ra de cima para bai­xo e da esquer­da para a direi­ta. Em nos­so pro­tó­ti­po, esti­pu­la­mos uma lei­tu­ra de cima para bai­xo e, no final de cada maté­ria, encon­tra­mos o aces­so para outras maté­ri­as da publi­ca­ção aces­sa­da.

   O design da ban­ca e do apli­ca­ti­vo são par­tes inte­gran­tes da revis­ta digi­tal. Para man­ter um padrão, deci­di­mos nos base­ar nos mode­los já implan­ta­dos nas pla­ta­for­mas de publi­ca­ções digi­tais para tablet. Para explo­rar­mos bem o design des­tas áre­as, é pre­ci­so expan­dir o design para outros supor­tes, como com­pu­ta­dor, tablet e smartpho­ne.